Lesões no Golfe

golfe

O golfe é um esporte que tem experimentado um aumento na popularidade ao longo dos últimos 10 a 15 anos. Registros da National Golf Foundation mostram um número de 12,98 milhões de golfistas adultos cadastrados, e mais de 27,8 milhões golfistas nos Estados Unidos por si só a partir de 2004. Há mais de 16.000 instalações de golfe nos Estados Unidos. Em 2002, os jogadores gastaram mais de 24,3 bilhões de dólares em equipamentos e taxas.


O jogador médio normalmente joga cerca de 37 rodadas por ano e gasta muitos mais dias praticando, por isso não é surpreendente que a taxa de lesões está em ascensão. O golfe, no entanto, é percebido como um esporte de baixo risco. Outros esportes, como futebol, basquete ou esqui têm taxas de lesões mais elevadas, mas vários estudos mostram que o golfe tem a sua quota de lesões também. Um estudo recente mostrou que, durante um período de dois anos, 60% dos profissionais de golfe e 40% dos amadores sofreu alguma lesão traumática ou lesão de esforço. Mais de 80% das lesões relatadas estavam relacionadas ao uso excessivo.


Tipos de lesões


Há algumas lesões incomuns associada ao golfe. Backswings errantes frequentemente acarretam em golpes nos parceiros de golfe. Tacos de golfe jogados por raiva ou repulsa, muitas vezes podem ferir seus proprietários ou outras pessoas na proximidade. Golfistas também sofrem sensações de choque nos ossos quando seus tacos tocam o solo durante um balanço equivocado.


A dor lombar é a lesão ou queixa mais comum entre os golfistas amadores e profissionais, seguida por lesões nos membros superiores (cotovelo e ombro). Golfistas profissionais experimentam um maior número de lesões no punho, enquanto golfistas amadores têm mais problemas de cotovelo. Ambos os grupos possuem uma taxa relativamente alta de lesões no ombro.


Problemas na coluna lombar podem ocorrer como resultado do movimento poderoso de rotação e extensão do swing. Em golfistas de elite o swing pode gerar velocidades de mais de 190 Km/hora ! Em um estudo com jogadores de golfe da PGA, 33% tinham vivenciado problemas lombares de duração superior a duas semanas, no último ano. Um estudo de 2004 sugere que o aumento da amplitude de movimento de extensão da coluna lombar e a rotação do quadril dominante (quadril esquerdo no golfista destro) pode diminuir a incidência de dor lombar. Os jogadores que carregam a sua própria bolsa de tacos têm o dobro da incidência de lesões em coluna, ombro e tornozelo.


O cotovelo é a segunda área mais comumente afetada em golfistas. Os dois problemas mais comuns são epicondilite medial (também conhecida como cotovelo do golfista) e epicondilite lateral (mais comumente conhecida como cotovelo do tenista). Ambas ocorrem como resultado de um swing sem técnica. A epicondilite medial é causada por uma tacada "fat" (isto é, bater no chão primeiro), e a epicondilite lateral por um swing excessivo com a mão direita em golfistas destros. Ambos problemas aumentam com a idade e frequência de jogo. Um bom pré-alongamento da extremidade superior e um bom programa de fortalecimento mostraram que diminuem esses problemas.


Em golfistas profissionais, lesões na região lombar são seguidos em incidência pelas lesões no punho. O punho dominante (punho esquerdo em golfistas destros) é o mais comumente lesionado. Na maior parte, são lesões por overuse dos tendões flexores e/ou extensores do punho. Tais lesões por sobrecarga são tratadas com repouso, imobilização e medicamentos anti-inflamatórios orais ou injeções de esteróides. Exercícios de fisioterapia, alterando mecânica do swing e fortalecimento dos músculos do antebraço e da mão também foram mostrados serem benéficos.


Outra articulação comumente atingida em jogadores de golfe é o ombro. Há músculos específicos no ombro que são mais ativos no swing. Estes são o subescapular (um dos músculos do manguito rotador), o peitoral e o grande dorsal. Síndrome do impacto, problemas no manguito rotador, e artrite são os problemas mais comuns ombro. Estes ocorrem com mais frequência no braço dominante. Um bom aquecimento e exercícios específicos que visam fortalecimento do ombro podem ajudar a diminuir a incidência dessas lesões.


PREVENÇÃO DE LESÕES


O aquecimento diminui a incidência de lesões no golfe. Uma pesquisa mostrou que mais de 80% dos golfistas gasta menos de 10 minutos para se aquecer antes de uma partida. Aqueles que aqueceram tinham menos da metade da incidência de lesões do que aqueles que não aqueceram antes de jogar. Golfistas profissionais eram mais do que duas vezes mais propensos a aquecer por mais de 10 minutos, em comparação com outros golfistas.


Muitos destes problemas podem ser evitados usando boa mecânica de swing. Instrução por um profissional de golfe para melhorar técnica é uma das melhores maneiras para diminuir suas chances de se lesionar. Um programa regular de exercícios que inclui fortalecimento do músculos abdominais, paravertebrais e glúteos, alongamento e fortalecimento de todos os principais grupos musculares também pode ajudar a diminuir a sua taxa de lesões e aumentar o seu tempo de jogo.